Anuidade Zero

Você esta cansado de todo mês ter que pagar aquela taxa enjoada no seu cartão de crédito? Faça como eu… Pra que pagar anuidade se existem vários cartões que não cobram essa taxa. Só paga anuidade de cartão de crédito quem quer.


É só você pensar que qualquer compra que você faz, o comerciante/loja paga uma taxa para utilização do serviço e você ainda também ter que pagar mais uma outra taxa?? É facilidade demais pros bancos. Vamos começar nossa campanha. ANUIDADE ZERO


OBS: Após a nova resolução do Banco Central, a grande maioria dos cartões passou a cobrar anuidade. Atualmente somente o Santander Free, Petrobras, Saraiva e Hipercard continuam totalmente isentos de taxas. Os demais cartões listados possuem anuidade, só que eles oferecem vantagens que como seguros automáticos e serviços para o lar. Mas sempre leia com atenção os termos antes de solicitar ao banco.



Não achou o cartão desejado? Faça outra busca



Apple vai transformar o iPhone 6 em cartão de crédito

A Apple quer transformar o iPhone 6 em uma carteira digital a partir de parcerias com redes de pagamento, bancos e varejistas, revelou nesta sexta-feira reportagem da Bloomberg. Entre os acordos já fechados estão parcerias com as empresas de cartão de crédito Visa, Mastercard e American Express. A novidade será anunciada em 9 de setembro, no anúncio da nova geração do smartphone.

O próximo iPhone permitirá o pagamento de contas graças a uma nova tecnologia, a NFC (Near Field Communication), que será usada no novo aparelho pela primeira vez. A partir do Touch ID, o sistema de reconhecimento de digitais já disponível no iPhone, os usuários farão seus pagamentos de forma segura apenas com um toque.

Outras companhias, como o Google, também têm investido no pagamento móvel com tecnologia similar. Por enquanto, os varejistas americanos têm se mostrado resistência à ideia.

A iniciativa da Apple pode forçar os comerciantes a adotar o sistema porque a Apple é líder mercado nos Estados Unidos, explica Ben Bajarin, analista da Creative Strategies LLC, à publicação americana.

Ainda de acordo com o especialista, a Apple é a companhia que dita os padrões da indústria em todo o mundo. Se ela aposta em uma tecnologia, todo o mercado acompanha o seu movimento. Criar um sistema de pagamento pode contribuir para que os usuários sejam ainda mais leais ao seu ecossistema e também à marca. O recurso de carteira digital será anunciado na próxima semana.

Especialistas dizem o que fazer em caso de problemas com o caixa eletrônico

Banco 24 HorasA nutricionista Maria Regina Vidal Buchele, de 49 anos, teve seu cartão de crédito preso em um caixa eletrônico de uma agência da Caixa Econômica Federal, no último dia 5. Ao procurar ajuda, constatou que não havia um vigia, no local, e que o 0800 do banco não funcionava.

Como todos os clientes correm o risco de encontrar falha nos terminais eletrônicos, a Federação dos Bancos e os órgãos em defesa do consumidor recomendam um passo a passo de medidas para tentar solucionar esse tipo de problema.

Maria Regina chegou às 10h na agência da Caixa do Ceisa Center, no Centro da Capital. A primeira opção que tentou, que foi conferir o saldo, não funcionou. Em seguida, iniciou o pagamento dos funcionários do condomínio do qual é síndica. Na última tela, clicou em confirmar, mas a máquina travou e segurou o cartão.

— Tentei pedir ajuda, mas nenhum vigia estava na agência, e não havia um telefone na sala do autoatendimento. Foi quando encontrei um 0800 da Caixa, escrito em um cartaz de propaganda do banco. Liguei cinco vezes para o número, sem conseguir falar com o responsável. Transferiam a ligação para ninguém, ou então, caía antes — contou a nutricionista.

Um senhor ofereceu ajuda e conseguiu arrancar o cartão do terminal eletrônico. Mas a primeira tentativa de Maria Regina foi a de quebrar o cartão. Sem sucesso, começou a procurar informações nas outras máquinas até conseguir bloquear o cartão de crédito. Depois de uma hora, ela conseguiu sair do local.

— Se eu precisasse viajar, estava sem cartão e sem dinheiro — reforçou Maria Regina.

Na segunda-feira, a nutricionista procurou o gerente da sua agência, com uma carta de reclamação e o comprovante do bloqueio em mãos. No mesmo momento, o funcionário desbloqueou o cartão e enviou o problema para o 0800 do banco, na intenção de melhorar o serviço.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o Brasil somou 182 mil terminais eletrônicos, no final de 2011, dos quais 50 mil estão instalados fora das agências bancárias. A pesquisa não contabilizou dados por estado.

Segundo a Federação, todas as cabines de autoatendimento devem ter telefones à disposição do cliente, ao contrário do apresentado na agência de Maria Regina. A entidade informou que, diante de qualquer problema com o caixa eletrônico durante o expediente bancário, o consumidor deve procurar imediatamente um funcionário identificado do banco. Nos outros horários, o usuário deve ligar para um dos telefones que estão nas salas de autoatendimento.

Os terminais eletrônicos da rede 24 horas são outro problema, de acordo com a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste). Uma pesquisa da entidade registrou que não foi possível utilizar o caixa em 75% das visitas, porque estavam em estabelecimentos fechados ou sem condições de uso. O levantamento foi feito na cidade de São Paulo, com 23 pontos 24 horas, primeiro nos dias de semana, após às 22h, e depois, em dias úteis.

A presidente da Proteste, Maria Inês Dolci, comenta que o banco tem a obrigação de prestar um serviço de qualidade e sem falhas ao cliente. Se ele se sentir prejudicado, pode procurar a Justiça, mas levando o registro da reclamação junto à instituição bancária.

Marcel Vieira de Souza, chefe de atendimento do Procon de Florianópolis, reforça que o órgão em defesa do consumidor trabalha apenas com provas documentais. Nem testemunhas substituem o registro do problema.

— Acreditamos no consumidor, mas sem provas, o processo termina já na conciliação com a empresa. O banco pode, até mesmo, decidir não fazer uma proposta — afirmou Marcel, acrescentando que um Boletim de Ocorrência (BO) também deve servir como registro dos fatos.

Fique atento

CINCO PROBLEMAS MAIS COMUNS

> Cliente não consegue fazer o saque, mas o valor é debitado da sua conta ou poupança

> Cliente recebe um valor menor do que o solicitado e debitado da conta ou poupança

> O cartão ficar trancado na máquina

> O caixa eletrônico não tem disponibilidade de notas, ou de outros serviços

> Falta de manutenção da máquina, com dificuldade de leitura do cartão

O QUE FAZER

> O mais importante é registrar a sua reclamação no momento em que ocorrer o problema, ou logo depois. Um registro pode ser o número de protocolo da ligação para o 0800 do banco, uma solicitação para o Banco Central, ou um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima.

> Procure a ajuda de um funcionário identificado para a função, nos horários de expediente, ou de um vigia

> Se não encontrar, usar o telefone disponível na cabine de autoatendimento

> Caso a cabine não tenha, usar o telefone pessoal para ligar para o 0800 do banco. A Febraban disponibiliza em seu site uma seção que oferece aos usuários os telefones dos bancos para atendimento ao cliente. Basta acessar o link:http://www.febraban.org.br/atendimento_bco.asp

> Se não for atendido, reclame diretamente com o Banco Central, no número 0800 979 2345. Para registrar uma reclamação contra a instituição no Banco Central, é só entrar no link http://www.bcb.gov.br/?RECLAMACAODENUNCIA, e clicar em “registre a sua demanda”.

> Se nada funcionar, reclame no Procon da sua cidade.

Fontes: Proteste, Procon de Florianópolis, Febraban e Diário Catarinense

Por Janaina Cavalli – janaina.cavalli@diario.com.br

Compras às cegas: qual dólar você paga no cartão de crédito?

Por Jornal Zero Hora

A taxa usada pelos bancos para converter em reais os gastos em moeda estrangeira no cartão de crédito descolam — para cima, é claro — dos monitorados pelo Banco Central (BC). Pesquisa realizada pela associação de consumidores Proteste, em parceria com o economista Samy Dana, mostra que o câmbio na fatura pode ser até 5,43% superior ao dólar comercial divulgado pelo BC.

A instituição calcula diariamente um valor de acordo com o preço médio do dólar em negócios entre os bancos, mas, como o valor é flutuante, cada banco pode definir uma taxa ao consumidor.

No caso em que a diferença é mais elástica, alguém que tenha gasto US$ 1 mil no cartão em uma viagem internacional, pagará R$ 2.210 no vencimento se a fatura usar a cotação idêntica à taxa do BC. Mas, pelo câmbio do banco, pagará R$ 2.330 – uma diferença de R$ 120.

— Cada banco cobra o que acha que deve, mas a fórmula desse cálculo não é realizada com transparência — afirma o economista Samy Dana.

Conforme o Banco Central, não há regulamentação que oriente a conversão, mas os bancos são obrigados e informar, no contrato, as formas de cálculo para as despesas em moeda estrangeira. O risco em fazer uma compra em dólar e desconhecer o valor que efetivamente será pago é agravado porque a conversão ocorre apenas no pagamento da fatura — e não no momento do gasto, alerta a Proteste.

20140730-121715-44235292.jpg

Entidade pede valor da moeda no dia do gasto

Ou seja, se alguém gastar US$ 500 em compras nas férias com o dólar a R$ 2,22, terá que pagar R$ 40 a mais se a moeda estiver R$ 2,30 na volta — sem levar em conta a diferença do câmbio do banco para o do BC.

— Seria importante que a conversão para reais pudesse ser feita no dia da compra, para que a pessoa soubesse exatamente o quanto terá de pagar — afirma a diretora institucional da Proteste, Maria Inês Dolci.

Como evitar fatura mais cara

— Procure fazer os pagamentos mais altos, como entradas de museus, hotéis e passagens, ainda no Brasil, pagando em reais.

— Escolha diferentes formas de pagamento, usando também cartões pré-pagos e dinheiro em espécie.

— Informe-se com o banco sobre o método para fazer a conversão, de forma a estar preparado para a fatura que irá receber.

— Pesquise no site febraban-star.org.br as taxas de câmbio cobradas por cada banco e opte pela que mais se aproxime do dólar comercial.

20140730-121900-44340291.jpg