Com o cartão de crédito sem limite, você poderá fazer compras tranquilamente, mas é importante ter muita responsabilidade com a utilização do mesmo, até porque o objetivo é ajudar a sua vida e não fazer você se afundar em dívidas.

O que nós precisamos que você entenda sobre o cartão sem limites, é que existe sim a possibilidade das suas compras serem aprovadas, ou seja, na prática existe um limite que é oferecido ao cliente VIP, que vai depender da sua renda.

Acontece que mesmo assim o cartão é considerado sem limite, porque os valores disponibilizados são bem altos.

Mesmo que existe um limite com base no seu perfil financeiro, nós ainda estamos nos referindo a créditos que ultrapassam até mesmo R$ 20 mil. Dá para realizar muitas compras, não é verdade?

Em alguns casos, os clientes com boa reputação nem mesmo precisam solicitar o cartão, pois o próprio banco acompanha as suas movimentações e já faz a liberação.

Cartão de crédito sem limite – Veja as suas opções

Você pode fazer a solicitação de um cartão diretamente com o gerente responsável pela sua conta.

Veja algumas opções interessantes:

Cartão Black

Normalmente, todos os bancos possuem um cartão Black para oferecer aos seus clientes.

A grande maioria desses cartões possuem um gasto mínimo mensal, que deve girar em torno de R$ 15 mil. Mas tudo depende da instituição bancária que você é cliente.

Esse é um dos cartões mais desejados do mundo, até porque conta com diversas vantagens, como por exemplo, uma sala de espera VIP em aeroportos espalhados pelo mundo.

Conheça o MasterCard Black clicando aqui.

Com o cartão Black em mãos, você poderá até mesmo usa-lo na modalidade internacional, facilitando completamente as suas viagens a negócios ou a passeio com a família.

Vá até o seu banco e converse com o seu gerente. Boa sorte!

Noticias Agora



A restituição da compra realizada por cartão de crédito tem procedimentos específicos, diferentemente da compra realizada por boleto bancário ou outro meio de pagamento. Isso se deve pelo fato de o cartão ter datas específicas para o fechamento da fatura, que variam de acordo com cada pessoa.

Sendo assim, dependendo da data da solicitação da empresa para a administradora do cartão de crédito e a data escolhida para o fechamento do cartão, pode ser que não entre naquele mesmo mês do cancelamento.

Além disso, quando vocêsolicita a restituição, a empresa não consegue cancelar o parcelamento, por isso o parcelamento continua, sendo necessário sempre observar o valor que foi restituído.

Por exemplo: o consumidor faz uma compra no cartão de crédito no valor total de R$300 e o parcelamento foi em 3 vezes de R$100. Ao tempo do cancelamento, o consumidor já tinha pagado a primeira parcela, e recebeu o estorno da compra no valor de R$100 junto com a cobrança da segunda parcela. Nesse caso, o erro está justamente no valor que foi restituído pela empresa.

Em qualquer caso de cancelamento, a empresa deverá restituir o valor integral da compra, incluindo o frete e o parcelamento deverá continuar. No caso citado, o consumidor só tinha pagado até aquele momento R$100, porém deveria receber a quantia de R$300 para suprir o pagamento já efetuado, bem como a segunda parcela que ali também era cobrada e a terceira parcela que ainda seria descontada.

Dessa forma, o ressarcimento seria pelo valor que já havia sido pago e não teria que arcar com o restante do parcelamento, pois teria um crédito no seu cartão que seria abatido proporcionalmente.

Caso você receba a restituição com valor inferior ao valor total da compra, terá o direito à complementação do valor, conforme o artigo 20 do Código de Defesa do Consumidor.

Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I – a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível;
II – a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;
(…)

Proteste



Por falta de controle ou planejamento financeiro, muitas pessoas acabam consumindo mais do que podem e, quando estão altamente endividadas, costumam colocar a culpa do seu desequilíbrio financeiro no cartão de crédito. Assim, o cartão de crédito é considerado por muitos o maior inimigo das finanças pessoais.

Antes de qualquer julgamento, é interessante termos a consciência de que o cartão nada mais é do que uma ferramenta. Toda ferramenta, se for mal utilizada, é capaz de provocar grandes estragos. Porém, se for utilizada com sabedoria, proporciona ao seu usuário enormes vantagens e benefícios.

Com o cartão de crédito não é diferente! Se for utilizado sem disciplina e planejamento, esse “dinheiro de plástico” provavelmente irá causar descontrole financeiro e dívidas exorbitantes, que serão muito difíceis de serem quitadas.

Porém, se usado com consciência, o cartão de crédito certamente será um grande aliado de suas finanças, e lhe permitirá ter acesso a grandes benefícios e facilidades. A seguir, são apresentadas 10 dicas valiosas para que você faça um uso inteligente do seu cartão de crédito, evitando juros altos e despesas desnecessárias, e aproveitando as principais vantagens dessa ferramenta.

10 dicas para usar melhor seu cartão de crédito

1 – Elabore seu planejamento financeiro

É recomendável que você faça seu planejamento financeiro antes de utilizar o cartão de crédito. Agindo assim, você poderá se programar e saberá quanto pode gastar no cartão de forma a ter dinheiro para pagar o valor total da fatura na data do vencimento. 
Além disso, ao fazer seu planejamento financeiro, você evitará andar com o cartão sem necessidade e, consequentemente, deixará de gastar em itens supérfluos. Para as despesas do dia a dia, prefira comprar sempre com dinheiro, pois ao ver o dinheiro saindo do bolso você refletirá mais sobre a necessidade da comprar. 

2 – Limite do cartão deve ser de, no máximo, 50% do seu salário

Ao utilizar o cartão de crédito, você tem a falsa sensação de que o dinheiro não está saindo da sua conta. Isso pode ser definido como “a prazerosa ilusão de comprar sem gastar um centavo”. Entretanto, o pesadelo começa no momento em que a fatura chega à sua residência ou email.

Por isso, o educador financeiro Reinaldo Domingos dá uma dica preciosa para quem costuma gastar além da conta: o limite do cartão de crédito deve ser, no máximo, 50% da sua receita líquida, ou seja, daquilo que você ganhar após todos os descontos.

3 – Registre todas as despesas

Você tem que saber e analisar como o seu dinheiro foi gasto. Dessa maneira, é imprescindível que você anote todas as despesas realizadas no cartão de crédito. A maneira mais fácil de fazer isso é utilizando um aplicativo de finanças pessoais, como o Mobills.
Contudo, se você não gosta de utilizar a tecnologia para facilitar a sua vida, o extrato detalhado do cartão pode ser o seu instrumento de controle. Nesse caso, você vai ter que usar uma planilha ou o velho caderninho para realizar o controle financeiro e analisar a qualidade dos seus gastos. De um jeito ou de outro, é fundamental que você veja para onde está indo seu dinheiro, para que você possa tomar as atitudes necessárias para melhorar sua situação financeira.

4 – Utilize apenas um cartão

Ter apenas um cartão de crédito facilita bastante nosso planejamento e controle de gastos. O ponto que merece mais destaque é a impulsividade na hora de gastar. Quem tem mais de um cartão, fica mais propício a exagerar nas comprar e acaba gastando mais do que pode.

Quando o limite de um cartão é atingido, algumas pessoas passam a utilizar o outro cartão, e depois o outro… Enfim, só vão perceber o estrago no outro mês, quando as faturas chegarem. Além disso, cada cartão de crédito apresenta custos de anuidade, que às vezes não são nada baratos. Quem tem só um cartão, certamente deixará de gastar um bom dinheiro com essas taxas.

Outra vantagem é que, tendo só um cartão, com certeza você perderá menos tempo na hora de checar a fatura para analisar todas as despesas daquele mês.

5 – Negocie as taxas de anuidade. Sempre!

Alguns cartões de crédito, principalmente aqueles que oferecem os melhores programas de vantagens e descontos, costumam cobrar taxas de anuidade bem elevadas. Algumas dessas anuidades chegam a até R$ 300,00. É um dinheirão. Se você usa seu cartão de crédito constantemente, saiba que está numa posição de vantagem para negociar essas taxas.

A cada compra que você faz, a operadora do cartão de crédito recebe um percentual referente ao valor da compra. Você pode utilizar esse argumento, dizendo que já é um bom cliente, que usa o cartão constantemente e já garante à operadora um bom repasse dos valores que você compra.

Há pouco tempo, usei esse argumento e ainda negociei mais um pouco e acabei conseguindo um desconto de 50% na minha anuidade. Nada mal!

Outra dica para evitar despesas elevadas com anuidade é analisar se você realmente usa todos os benefícios que o cartão oferece. Cartões internacionais costumam apresentar anuidades mais elevadas, e algumas pessoas possuem esses cartões, mesmo sem estar em condições ou ter a intenção de viajar para o exterior.

6 – Jamais pague somente o mínimo!

Pagar somente o valor mínimo pode tornar a sua dívida simplesmente impagável! Isso se deve ao fato do cartão ser uma das modalidades mais caras de financiamento, perdendo apenas para as financeiras. Sendo assim, evite pagar o valor mínimo ou parcelar a dívida.

Se tiver dificuldades para pagar o valor total da fatura, é melhor tomar dinheiro emprestado no crédito pessoal, pagar o cartão à vista e parcelar esse novo empréstimo, pois os juros costumam ser bem menores. 

Contudo, o ideal mesmo é você seguir a dica 1 e elaborar seu planejamento financeiro antes de comprar qualquer coisa no cartão de crédito. Você não pode tratar o cartão de crédito com uma renda extra e se endividar pela falta de controle financeiro.

7 – Consulte o saldo do cartão frequentemente, para evitar sustos na hora da fatura.

Por não ver o dinheiro saindo do bolso na hora de pagar, algumas pessoas relaxam bastante com o cartão de crédito, e muitas vezes acabam gastando mais do que podem. Acredite, isso é bastante comum de acontecer.

Quando o dinheiro não sai do bolso, é fácil de nos confundirmos e acabamos saindo um pouco do controle na hora de gastar. E quando a fatura chega é um susto!

8 – Evite pagar contas de água, luz e telefone no cartão 

Algumas pessoas acham muito interessante concentrar todos os pagamentos no cartão de crédito, pela facilidade de ter que se preocupar apenas com uma fatura.

Entretanto, pagar as contas de concessionárias (água, luz e telefone) no cartão não costuma ser um bom negócio, pois as administradoras dos cartões normalmente cobram tarifas para prestar esses serviços. Assim, é necessário se informar sobre o valor das tarifas cobradas e analisar se vale a pena gastar a mais para comprar este “benefício”.

9 – Fique atento aos programas de descontos e vantagens.

Hoje em dia, é fácil encontrar cartões de crédito com programas de recompensa e vantagens. Um bom exemplo é o programa de milhas. Quando você compra com determinado cartão, acumula pontos que podem posteriormente trocados por milhas e passagens aéreas. Há também pontos que podem ser trocados por combustíveis ou outros produtos em geral, como eletrodomésticos, bicicletas, etc.

Além disso, alguns cartões oferecem descontos de até 50% em cinemas, teatros, jogos de futebol ou em compras feitas em redes de lojas parceiras. Dessa maneira, quem fica atento a essas vantagens, tem a chance de economizar uma boa grana em algumas compras, e ainda consegue juntar pontos suficientes para comprar passagens de avião ou abastecer o carro. Com certeza é uma boa!

Vale alertar para não cair no erro de achar que vale a pena gastar mais para acumular os pontos. NÃO! Os pontos são um benefício extra para comprar através daquele cartão de crédito. Não ache que é vantajoso comprar cada vez mais pensando em ganhar os pontos.

10 – Evite fazer cartões de loja

É bastante comum que as lojas ofereçam cartões de crédito para os consumidores, visando fidelizar os clientes. Porém, você deve tomar muito cuidado e refletir sobre a real necessidade de fazer cartões de lojas.

Apesar de existirem alguns benefícios nas compras com os cartões da lojas, várias delas só permitem o pagamento da fatura dentro da própria loja, o que pode incentivar o consumo desnecessário e fazer você gastar mais. 

 

Para ver outras dicas financeiras, você também pode acessar o blog Receita Financeira, do consultor financeiro Davi Augusto (coautor deste texto).

Mobills

Como sabemos as taxas de juros para cartões de crédito são as maiores do mercado. Mas, se você souber usá-lo com cuidado e responsabilidade, poderá ter grandes vantagens. Além da comodidade e versatilidade, o cartão de crédito pode oferecer até 40 dias para o pagamento de suas compras.

A escolha do cartão pode até parecer um processo fácil, devido às várias opções que o mercado apresenta. Mas, fique atento: nem sempre é tão simples assim. Antes de fechar negócio, você deve tomar alguns cuidados que podem evitar futuras dores de cabeça:

• Sempre escolha a data para o vencimento próxima ao dia em que você recebe. Isso evita que você gaste o dinheiro com outras despesas;
• Faça uma pesquisa e veja qual instituição oferece mais vantagens (caso você use muito o cartão, algumas operadoras oferecem programas de pontos/milhagem);
• Fique atento para o valor da anuidade e quando ela será cobrada. Alguns cartões dão a anuidade grátis na hora da compra, mas em compensação, no ano seguinte cobram valores exorbitantes;
• Procure ter apenas um cartão de crédito. Isso evita o descontrole e assim, você pode adquirir vantagens na hora da negociação.

Ao escolher o cartão de crédito, avalie suas necessidades. Se você usa pouco, busque cartões nacionais com isenção de anuidade. De que adianta ter um cartão internacional se você nunca foi e nem pretende fazer compras no exterior?

Existem vários tipos de cartões, veja aquele que se adapta melhor à sua necessidade:

Cartão institucional: Geralmente são oferecidos na abertura de uma conta corrente e o limite depende muito do saldo que você tem em conta e de outros produtos contratados. Esses cartões também podem ser usados como cartão de crédito ou de débito ao mesmo tempo.

Cartão co-branded: Este tipo de cartão é como uma parceria entre vendas e marketing, onde o objetivo é fidelizar o cliente. O cartão carrega o logotipo da empresa associada e pode trazer algumas vantagens, como descontos progressivos nas compras.

Cartão pré-pago: Neste tipo de cartão é o próprio associado quem determina seu limite, é ele também quem credita uma determinada quantia no cartão de crédito. A vantagem, neste caso, é que você pode planejar seus gastos com o cartão.

Foregon

As novas regras do rotativo do cartão de crédito entram em vigor nesta segunda-feira. Estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), as novas regras tem como objetivo diminuir o endividamento no cartão de crédito, que possui as taxas mais altas para o consumidor – juros chegam a 490% ao ano.

A partir de agora, os consumidores que não conseguirem pagar integralmente a tarifa do cartão de crédito só poderão ficar no crédito rotativo por 30 dias.

 

 

Abaixo, o Idec responde a algumas perguntas sobre a mudança:

O que é crédito rotativo do cartão de crédito?

É uma modalidade de crédito com taxa pré-fixada, que incide sob o saldo. O crédito é renovado a cada 30 dias quando o cliente efetua apenas o pagamento mínimo da fatura.

 

Como ele funciona?

O consumidor efetuava a compra e ao fazer o pagamento mínimo na data do vencimento, entrava no crédito rotativo. O saldo restante ficava no rotativo. No próximo vencimento, o saldo restante é corrigido pela taxa do crédito rotativo.

 

 O que muda a partir deste mês de abril?

O pagamento mínimo com uso do rotativo só poderá ser usado uma única vez. Se o cliente não pagar integralmente a fatura, o saldo remanescente deverá ser quitado integralmente ou parcelado. Do contrário, será considerado inadimplente e o valor da conta, acrescida de encargos.

 

O que acontece com quem está acostumado a rolar dívida no cartão de um mês para outro?

Esses clientes devem ficar atentos ao vencimento da fatura para decidir o tipo de parcelamento, a não manifestação dará ao banco a decisão automática de parcelar. A dívida será corrigida por juros menores do que o rotativo, reduzindo o potencial de crescimento da dívida. Mas é preciso cuidado, longos parcelamento também encarecem as dívidas.

 

O parcelamento da dívida é uma boa escolha?

O parcelamento da dívida é uma alternativa menos cara que o rotativo, mas não é a melhor opção, o consumidor deve sempre tentar pagar a fatura integralmente. O banco nem sempre oferece a melhor opção para o cliente, então é preciso fazer uma pesquisa prévia das taxas de juros.

 

É melhor escapar do rotativo ou parcelamento?

Sim, é importante evitar essas linhas de crédito. Mesmo que a taxa de juros do parcelamento seja inferior ao do rotativo, ela ainda é alta. O consumidor não deve demorar muito tempo para quitar a dívida. Quanto mais tempo de exposição, mais fácil é chegar ao endividamento. A diferença é que no rotativo o endividamento é de curto prazo e no parcelamento, a médio ou longo prazo.

 

Como os bancos estão se adaptando à mudança?

Os bancos terão liberdade para criar suas próprias regras, a maioria oferece uma opção de parcelamento automático para quem não quita todo o saldo do cartão naquele mês.

 

Para o Idec, a mudança prejudica ou beneficia o consumidor?

A mudança é necessária, mas precisa de aprimoramento. A gestão da fatura fica mais complexa. E o parcelamento, por exemplo, tem lógica próxima ao pagamento mínimo. É preciso um estudo mais aprofundado do perfil do consumidor que usa essa modalidade para que se possa melhorar as normas

dicas para usar o cartão

Nubank é mesmo o queridinho dos brasileiros. O cartão de crédito ficou em primeiro lugar no ranking de cartões com melhor custo-benefício no Brasil, segundo uma pesquisa da consultoria CVA Solutions. O Amex ficou em segundo lugar e, na terceira posição, aparecem os cartões do Citibank.

Na sexta edição, o estudo ouviu mais de 4 mil usuários de cartão de crédito, de diferentes ocupações e faixas de renda. A pesquisa foi feita em novembro, com clientes de todo o Brasil. Os usuários de cada cartão, que têm experiência com o serviço, deram notas de 1 a 10 para custos e benefícios.

Principais atrativos

Zero ou baixa anuidade, programa de pontos e bom atendimento são os principais itens de um cartão que conquistam consumidores, segundo Sandro Cimatti, sócio-diretor da CVA Solutions.

Entre os custos, os clientes avaliaram a anuidade e os juros para pagar somente uma parte da parcela. Entre os benefícios, os consumidores deram nota para segurança, promoções, programa de pontos, atendimento, aceitação e operação do cartão, entre outros itens.

Valores do cartão de crédito

A pesquisa chegou a um “valor percebido” pelos usuários sobre cada cartão de crédito. Em geral, valores acima de um indicam que o cartão é melhor que a concorrência, em média. Resultados iguais a um indicam que o cartão é igual à concorrência, e menores que um, que é pior do que a média.

O estudo também ouviu a opinião de usuários de cartões de crédito de lojas e elegeu as melhores e piores bandeiras de cartões. Confira o ranking completo:

Fonte: Exame

Se você é universitário e está começando sua vida bancária, abra o olho. Cartões universitários oferecidos pelos bancos prometem zero anuidade no primeiro ano, mas a partir do segundo, cobram tarifas que chegam a 19 reais por mês.

Em contrapartida, novos cartões, como o Nubank e o Digio, não cobram anuidade e não exigem comprovação de renda. “Cartões universitários não fazem mais sentido”, alerta a economista Ione Amorim, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).Continuar lendo

banco neon

A proposta do banco digital é trabalhar, na medida do possível, sem taxas e de maneira totalmente independente de operações físicas. Tudo funciona através do aplicativo e o banco trabalha com o menor número de tarifas possíveis, sem anuidades e com algumas cobranças pontuais, como taxas a partir do segundo boleto e saque na rede 24 Horas no mês e em transferências para outros bancos.

A empresa aproveita o bom momento das fintechs no Brasil e tenta trazer um conceito que considera totalmente novo no Brasil – para o CEO, Pedro Conrade, todos os que poderiam ser considerados seus concorrentes não são “digitais”, mas “digitalizados”.

Criação da conta

Os 5 mil clientes que foram liberados estão, aos poucos, recebendo seus aceites. Para criar uma conta, os interessados precisaram baixar o app, fotografar seus documentos, inserir alguns dados pessoais e tirar uma “foto de segurança”. Nos testes, essa ferramenta mostrou-se segura: apenas o rosto do usuário de fato funcionou para desbloquear o aplicativo.

cartao-neon

Durante o período de espera pela liberação da conta, o Neon envia e-mails, notificações no app e até SMS para explicar a demora. Quando autorizado o cadastro, esses meios de contato também são utilizados e o banco convida o cliente a “fazer parte de uma revolução”.

Uma vez liberada a conta, é preciso fazer um depósito de pelo menos R$ 100 para ativar o cartão digital e receber em mãos o cartão físico com bandeira Visa – ambos de débito. Assim que o dinheiro cai, a primeira forma de pagamento é apresentada, enquanto o cartão de plástico chega em cerca de 5 dias.

Funções

O aplicativo é bastante limpo e intuitivo e travou poucas vezes durante o uso – nada anormal. Caindo o depósito, pede uma senha para o cartão, cuja criação é validada em diversos passos de segurança. Entre eles, um SMS com código alfanumérico e uma validação através da câmera que exige que o usuário pisque para avançar (ou seja, não adianta alguém ter uma foto sua).

Na função virtual, o Neon funciona como um cartão de crédito no e-commerce. Usando número e código de segurança, é possível comprar itens em sites e apps normalmente – a diferença é que é preciso ter o dinheiro em conta para que a transação seja aprovada.

A aprovação do pagamento pela loja, entretanto, demorou mais que o normal durante os testes do InfoMoney, embora o valor tenha sido descontado imediatamente após a confirmação do pedido.

Tanto em compras virtuais como físicas, o aplicativo envia imediatamente uma notificação com valor e nome do estabelecimento. Todos os gastos são divididos automaticamente em categorias, como “Bares e restaurantes”, “Vestuário”, “Lazer” e “Mercado”. É possível editar essas etiquetas a qualquer momento.

Para consultar todos os recebimentos e gastos do cartão, basta acessar o menu “saldo” no app. Cada lançamento também mostra, em um mapa, o local exato onde a transação foi realizada.

Transferências podem ser feitas rapidamente usando os contatos salvos no seu telefone. É possível incluir dados de contas bancárias para todos os seus contatos, e aqueles que também possuem conta no Neon são sinalizados.

Há um leitor de códigos de barras que funciona bem através da câmera do celular, ou o cliente pode digitar o número para realizar pagamentos. O horário de pagamento (para que ele não caia apenas no dia seguinte) é das 7h30 às 20h30.

Atendimento

Caso precise falar com o banco, o usuário pode enviar mensagens através do próprio aplicativo. O caminho é “Meu Neon”/”Precisa de ajuda?” e o ícone de chat no canto superior direito. Automaticamente é aberta uma janela de conversa entre cliente e algum responsável pelo atendimento no momento.

A resposta no app demora apenas alguns minutos e o usuário recebe uma notificação no smartphone. No caso da dúvida enviada, a questão não pôde ser resolvida imediatamente, mas a atendente se mostrou solícita.

Objetivos

Ainda não ativada, essa função do aplicativo pretende ajudar os usuários a fazer o dinheiro render. O cliente poderá inserir o valor que pretende guardar em determinado período e, a partir disso, o próprio Neon passará determinada quantia mensalmente da conta do usuário para um investimento apropriado.

Fonte: InfoMoney

greve bancaria

Os bancários de instituições públicas e provadas estão em greve no Brasil a partir dessa terça feira, 6 de setembro. Isto significa que muitas agências devem ter o funcionamento parcial ou suspenso.

Embora muitas operações bancárias não possam ser realizadas eletronicamente, o consumidor não pode se valer da greve para protelar os pagamentos. Por isso fique alerta à data de vencimento das contas e procure um meio alternativo para pagá-las, evitando problemas futuros.

Algumas alternativas às agências bancárias são as casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos credenciados. Além destes ainda tem a disposição os caixas eletrônicos, podendo realizar operações com o uso do cartão de crédito. Os aposentados e pensionistas que recebem pela Caixa Econômica Federal só poderão retirar o benefício nas casas lotéricas.

Caso precise sacar o dinheiro na boca do cixa, pode-se ligar para o banco para solicitar uma alternativa. A greve é um direito social, mas as empresas não são eximidas de garantir aos consumidores a prestação dos serviços essenciais, diz a Proteste.

Com informações da ProTeste e InfoMoney