Cartão de Crédito sem consulta ao SPC/Serasa

Quem tem o nome sujo pode encontrar dificuldade na hora de fazer um cartão de crédito. Isso acontece porque as empresas responsáveis pelos cartões fazem um análise de crédito antes de aprovar a proposta do futuro cliente. Nessa análise, instituições de proteção ao crédito, como SPC ou Serasa são consultado e, se o consumidor estiver negativado, as chances da solicitação ser recusada são bem maiores.

As empresas fazem isso para se protegerem contra a inadimplência, mas existem hoje no mercado alguns cartões que dispensam a consulta ao SPC ou Serasa. Veja algumas opções.
IbiCard Fácil

ibicard-sem-consulta[1]

IbiCard Fácil é uma das opções para quem está com o nome sujo na praça. Ele conta com algumas das vantagens do cartão de crédito, mas funciona como um cartão pré-pago. O cliente faz um depósito e 90% do valor é convertido em crédito para o cartão. Se você deposita R$500,00, por exemplo, então o seu limite de crédito será de R$450,00. Enquanto o dinheiro estiver aplicado, ele renderá mais que na poupança. Além disso, é possível emitir até 2 cartões adicionais, que também utilizarão o limite depositado pelo titular.

Vantagem:O cartão pode ser utilizado por qualquer pessoa, incluindo as que estão inseridas em cadastros negativos. Outra vantagem é que o cliente pode escolher o limite do cartão.

Desvantagem: A cobrança de 10% em cada depósito é bem elevada, mesmo que o dinheiro esteja aplicado.

 

 

Cartão Bonsucesso Visa

89f5c19e-119b-4735-adf3-64a93e326e17[1]

Bonsucesso Visa também pode ser solicitado por pessoas negativadas, desde que elas sejam aposentadas ou pensionistas. Com o cartão, o cliente tem até 45 dias para pagar sua compras, não precisa pagar anuidade e ainda é possível fazer compras no exterior. O valor mínimo da fatura é debitado em folha todos os meses.

Vantagem: A ausência de anuidade é uma grande diferencial, além da possibilidade de ser solicitado por consumidores com o nome sujo.

Desvantagem: O desconto de apenas 10% da fatura em folha pode favorecer o endividamento.

Fonte: Credito e Debito