digio e a nubank

A batalha entre a Digio e a Nubank beneficia a todos

Banco do Brasil e Bradesco colocaram no ar, através do banco CBSS, um sistema digital para venda e gestão de cartão de crédito. Batizada de Digio, a plataforma veio para combater o avanço do Nubank, startup brasileira que oferece cartão de crédito sem anuidade e com gestão através de um app. O banco já recebeu 100 mil pedidos de cartão de crédito e já emitiu cerca de 20 mil, segundo matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

O banco CBSS é mais uma empresa criada por Banco do Brasil e Bradesco por meio da holding Elo Participações. A empresa também é dona de Alelo, Livelo, Stelo e da Movera, todas empresas ligadas a serviços financeiros. Os dois bancos também são acionistas da Cielo e da Elo, que tem ainda a Caixa Econômica como sócia.

Criado em 2014, o banco CBSS nasceu para atender o público de baixa renda. Com uma estrutura separada da operação do Bradesco e Banco do Brasil, o banco CBSS se tornou uma espécie de fintech, cujo foco principal é criar e testar tecnologias novas que façam sentido para o setor bancário.

Os cartões Digio podem ser solicitados pelo smartphone ou pelo site da empresa. Por enquanto, a única opção é a bandeira Visa – enquanto o Nubank atua com Mastercard -, mas espera-se que as demais bandeiras também estejam disponíveis em breve. Para se cadastrar, novamente é parecido com o Nubank, com tudo sendo feito de maneira digital. Basta digitalizar os documentos e tirar uma selfie para servir de foto do cadastro.

São diversas funcionalidades, mas chama a atenção o poder de aumentar e diminuir o limite do cartão e informar roubo ou perda diretamente através do aplicativo – mais prático do que usar o telefone para realizar esse processo.

O processo de liberação de crédito não inclui apenas o tradicional que os bancos fazem, mas também uma análise do perfil do cliente através de suas redes sociais.

É natural que os bancos corram atrás de inovações, já que vivemos uma era de disrupção. Startups enxutas atacam os grandes bancos com soluções altamente inovadoras – e muitas vezes acabam sendo compradas pelos próprios bancos. O Santander, por exemplo, fez uma grande aquisição ao comprar ContaSuper, que oferecia uma conta digital. Já o Bradesco está desenvolvendo o Next, um banco digital focado no público jovem.

A tendência é que essas novas companhias funcionem separadamente da operação dos bancos, que é vista como muito engessada e altamente regulamentada. A revolução que as fintechs têm causado no mercado é enorme e os bancos precisam reagir rápido se ainda quiserem existir em 2030.

Fonte: StartSE

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm