Anuidade Zero

Você esta cansado de todo mês ter que pagar aquela taxa enjoada no seu cartão de crédito? Faça como eu… Pra que pagar anuidade se existem vários cartões que não cobram essa taxa. Só paga anuidade de cartão de crédito quem quer.


É só você pensar que qualquer compra que você faz, o comerciante/loja paga uma taxa para utilização do serviço e você ainda também ter que pagar mais uma outra taxa?? É facilidade demais pros bancos. Vamos começar nossa campanha. ANUIDADE ZERO


OBS: Após a nova resolução do Banco Central, a grande maioria dos cartões passou a cobrar anuidade. Atualmente somente o Santander Free, Petrobras, Saraiva e Hipercard continuam totalmente isentos de taxas. Os demais cartões listados possuem anuidade, só que eles oferecem vantagens que como seguros automáticos e serviços para o lar. Mas sempre leia com atenção os termos antes de solicitar ao banco.



Não achou o cartão desejado? Faça outra busca



Dicas para não pagar anuidade de cartão de crédito

Você ainda paga anuidade de cartão de crédito? Pois fique tranquilo, por muitos anos eu também paguei e daqui pra frente você não pagará mais!

Nos últimos anos os cartões de crédito se tornaram um dos principais meios de pagamento para os brasileiros. Além da praticidade, ele é uma excelente forma de acumular milhas para emitir passagens aéreas. A maioria dos cartões, contudo, cobra uma anuidade que em média é de R$ 250, mas ela pode chegar até R$1.200. O que muitas pessoas não sabem é que na grande maioria dos casos é possível conseguir a isenção dessa anuidade ou pelo menos um grande desconto.

Se você está lendo esse post, provavelmente concentra suas compras no cartão de crédito para acumular milhas e esse volume de compras é sua principal arma para conseguir desconto e a isenção na anuidade.

Não pense que essa negociação é algo excepcional: isso não é uma novidade e os cartões têm até um setor apenas para isso! Você vai gastar poucos minutos e vai economizar uns bons reais para gastar na sua próxima viagem.

Dicas e argumentos para conseguir a isenção da anuidade do cartão de crédito
- Ligue no atendimento do seu cartão e peça para falar com o setor responsável por negociar anuidade
- Fique calmo, use um argumento de cada vez e espere que o atendente faça uma proposta para cada argumento seu.
- O atendente sempre menciona os benefícios do cartão. Deixe ele ler esse texto, afinal ele é obrigado a fazer isso. Depois fale que você pouco usufrui desses benefícios e que o mais importante é ter isenção da anuidade.

- Argumento 1: Você tem um volume considerável de gastos mensais e concentra seus gastos nesse cartão, por isso gostaria se solicitar isenção da anuidade. Não menospreze seu volume financeiro mensal – é uma das suas principais armas!

- Argumento 2: Foram ofertados a você cartões sem anuidade nenhuma. Diga que você deseja permanecer com o cartão atual porque gosta do banco e do atendimento, mas não faz sentido continuar pagando anuidade se há cartões sem nenhuma anuidade. Não precisa dar exemplos, mas vários emissores oferecem cartões sem anuidade, o mais conhecido atualmente é o Santander Free.

- Argumento 3: Um amigo seu tem um gasto menor e conseguiu a isenção da anuidade. Converse com seus amigos, certamente vários deles não pagam anuidade.

- Argumento 4: Você tem um bom tempo de relacionamento com o banco e paga sempre sua anuidade dia. Se tiver um bom volume de investimentos no banco fale isso também para o atendente ou ligue para o seu gerente que a isenção será bem mais fácil. Mesmo que não tenha um único real investido, você pode conseguir a isenção, esse é apenas um outro caminho.

A negociação

Como dissemos, o segredo é manter a calma. Apresente um argumento de cada vez e procure ser sempre simpático, mas demonstrando convicção de que você merece a isenção da taxa.

Durante a conversa ele irá te oferecer descontos, mas não aceite, e continue insistindo: se for para pagar anuidade você prefere cancelar o cartão.

Saiba que se alguma parcela da unidade já foi cobrada ela pode ser estornada. Insista pelo estorno.

Durante a negociação, alguns cartões oferecem descontos na anuidade usando seus pontos de fidelidade. Recuse, isso não costuma ser um bom negócio!

Caso o atendente não conceda a isenção e esteja irredutível, peça para falar com o supervisor e volte aos argumentos iniciais.

Ao final da negociação, é difícil que não tenha conseguido a isenção, mas caso a resposta seja negativa e você tem três opções:

1. Dizer que vai pesar e tentar no dia seguinte, muito provavelmente com outro atendente. Às vezes é uma boa opção.

2. Caso goste do cartão e não queira cancelá-lo, quando o atendente questionar se deseja mesmo cancelar seu cartão, você responde, “Tudo bem, vou aceitar com esse desconto de apenas 75%” ;-)

3. Cancelar o cartão. Tome essa decisão se já tem outra opção isenta de anuidade ou não faz tanta questão desse cartão. Uma dica importante: essa deve ser uma decisão racional. Não se apegue ao cartão, ao contrário do que o marketing quer atribuir, não o veja como uma fonte de status ou diferenciação, é apenas uma forma de pagamento e uma ferramenta para acumular milhas!

Eu faço isso desde 2007 e sempre funcionou. Nunca precisei cancelar um cartão e desde então nunca mais paguei anuidade. Depois que você conseguir a primeira isenção, nos anos seguintes você tem mais um argumento, fale que no ano passado eles deram isenção e que nesse ano você gastou mais. Como viu, é mais simples e fácil do que parece! Boa sorte!

Você já negociou anuidade de cartão? Usou algum argumento que não citamos? Compartilhe sua estratégia pessoal! Se você ainda não negociou, faça isso e deixe um comentário contando a sua experiência.

Dicas escritas por Leonardo Marques do site Melhores Destinos.

Cartão de crédito emitido pela loja: veja quando vale ou não a pena ter um

O uso do cartão de crédito próprio do estabelecimento comercial tem se tornado cada vez mais comum. O modelo de pagamento está presente em lojas de departamento, supermercados, postos de gasolina, farmácias, livrarias, entre outros estabelecimentos comerciais. A aquisição de um cartão como esse vem se tornando cada vez mais acessível e a facilidade para a utilização muitas vezes convence o consumidor.

No entanto, o uso da linha de crédito tem que ser utilizada com responsabilidade e obedecendo a um planejamento financeiro, para que não cair no endividamento.

“O problema é que nem sempre as pessoas sabem como lidar com o limite de forma positiva”, avalia José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz, uma iniciativa do SPC Brasil.

Fonte: InfoMoney

Reunião vai negociar juros do cartão de crédito

Representantes de aposentados e pensionistas do INSS e do governo vão negociar, na próxima quarta-feira, a redução dos juros cobrados nas operações com cartão de crédito pelos bancos conveniados com a Previdência Social. No encontro, os líderes do movimento dos aposentados apresentarão proposta para que o teto dos juros baixem dos atuais 3,06% ao mês para o mesmo limite previsto para os empréstimos pessoais com desconto na folha do INSS, hoje em 2,14% ao mês.

“Queremos o mesmo patamar de juros para as duas operações, tanto no empréstimo pessoal quanto na dos cartões de crédito. Os bancos não perdem em nenhuma das duas formas. O pagamento está garantido para as instituições financeiras conveniadas pelo fato de ser feito com desconto em folha nos dois casos”, argumenta o presidente da Confederação Brasileira dos Aposentados (Cobap), Warley Martins.

Inicialmente, a reunião estava marcada para o último dia 16 com o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, e o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Mas por conta de falta de espaço nas agendas oficiais, a reunião foi transferida para quarta-feira. Só que o representante do governo na mesa de negociação será o secretário de Políticas de Previdência Social, Benedito Brunca.

De acordo com os últimos dados do ministério, as operações com cartão de crédito com pagamento da fatura com desconto em folha registraram aumento de 893,15% entre março do ano passado e o mesmo mês de 2014. A quantidade de contratos assinados para aposentados usarem cartão passou de 482 operações a 4.787. O valor movimentado na comparação entre os dois períodos subiu de R$ 1,038 milhão para R$ 12,866 milhões, alta de 1.139%,49%.

Levantamento feito pela assessoria econômica da Cobap, ao analisar dados do indicador ampliado do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em junho, revelou que 22,28% das pessoas endividadas têm mais de 65 anos de idade. O assessor econômico da confederação, Maurício Oliveira, avalia que as principais causas para a inadimplência dos idosos no país são: redução do valor das aposentadorias, aumento das despesas com remédios e planos de saúde, facilidade de pegar empréstimos consignados para descontar no contracheque e a prática de emprestar o nome para que os parentes ou outras pessoas façam compras a prazo usando os dados do aposentado.

CUSTO EMBUTIDO
Segundo a Instrução Normativa 28, que regulamenta o consignado, o teto dos juros, no caso do cartão em 3,06% ao mês, já prevê todos os custos da operação de crédito, ou seja, o custo efetivo. Já margem consignável, que é o valor máximo da renda a ser comprometida, não pode ultrapassar 30% do valor do benefício, dividida em: 20% para empréstimos e 10% para o cartão.

ORÇAMENTO 2015

Para o presidente da Cobap, Warley Martins, a redução da taxa de juros no cartão de crédito ajudará a amenizar essa situação. De acordo com o dirigente, a reunião também vai tratar do orçamento da Previdência para o próximo ano. Ele lamentou, no entanto, não ter conseguido colocar na pauta do encontro o tema aumento real para os benefícios acima do mínimo.

Fonte: Jornal O Dia